"Na Voragem dos Dias" foi o primeiro livro que editei, juntamente com um grupo de amigos virtuais (desconhecidos). No dia em que o livro foi lançado, eu apresentei-me, um pouco envergonhada, ao Manuel Azevedo, grande amigo, que fez tudo para que esta obra fosse uma realidade.

Esta é a prova viva de que a internet é um meio de comunicação sem fim à vista.

De conversas no mirc, de trocas de experiências literárias, surgiu o convite para participar nesta Antologia Poética com dois poemas meus.

Foi assim de tudo começou. Em 2004, tinha eu 34 anos dei o grande passo na escrita. Apesar de gostar de escrever desde muito cedo, nunca tinha tido o emporrãozinho para seguir em frente e fazer algo que era importante para mim.

 

 

 

 

 

 

 

 

"Artífices das Palavras" foi a minha segunda aventura no caminho da Poesia.

Uma segunda publicação, realizada em 2006, onde Filomena Tavares, uma vizinha que conheci através da internet, fez parte integrante da coordenação desta obra.

Com um pouco mais de experiência, lacei-me na teia poética com oito poemas inéditos e sentidos.

foi a partir deste livro que a poesia começou a fazer parte integrante da minha vida. Agora não leio apenas...plumo a poesia com a ponta dos meus dedos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Simbiose", editado em 2007, algo mais trabalhoso mas aliciante. Um livro de fotografia e poesia.

Neste trabalho tive uma tarefa mais complicada. Fui convidada por Filomena Tavares a fazer par com um fotógrafo. Foi sem dúvida das melhores experiências que tive na vida. Um desafio que ultrapassava a coragem de quem apenas sabia cruzar letras com letras.

Desta vez tive de colocar a minha capacidade de saber observar e ler poesia na imagem.

Escrever para as fotos de Pedro Miguel Bastos, foi para além de um desafio, uma grande amizade que encontrei nos trilhos da poesia.

Quando li uma citação do Pedro fiquei sem palavras. "Não quero que a fotografia seja na minha vida o início de um fim, nem um fim de um começo. Quero que seja um início de um começo sem fim." Deu de imediato para perceber que estava a escrever para as fotos da pessoa certa.

 

 

 

 

 

 

"Sentidos" mais uma obra, editada em 2008, com talentos em duas vertentes. Poesia e fotografia conjugadas e com prefácio de José Fanha; escritor, poeta e declamador.

Foi mais um grande prazer poder participar com quatro poemas inéditos.

Esta obra, com fotografia a cores, corresponde ao espírito dos fotógrafos e poetas nele inseridos.

"os poemas que se juntam neste livro acordam rumores, trazem chuva, falam de ausências e de dores." José Fanha

"A fusão entre o ser e o dizer, entre o que se nomeia e o que se cria, gera, como um vulcão, novas paisagens" Hélia Correia

publicado por Yaleo às 20:19